Diabetes

Reduzir os riscos

Entre os aspectos emocionais destacam-se os transtornos alimentares, que podem ocorrer de forma escondida e que estão diretamente relacionados a um maior risco de complicações agudas e crônicas precoces da pessoa com diabetes.

Os pacientes jovens com diabetes tipo 1 fazem parte de um grupo mais vulnerável para o desenvolvimento de transtorno alimentar (risco 2 a 4 vezes maior), principalmente as do sexo feminino.

Após o diagnóstico, a rotina e a preocupação constante com a alimentação, contagem de carboidratos e uso de múltiplas doses de insulina podem causar uma recuperação ou aumento do peso corporal, comparado ao do momento do diagnóstico. Manipular ou omitir a dose de insulina com o objetivo de perder peso é um comportamento de risco conhecido como “diabulimia” e deve ser investigado.

Também é preciso estar atento no diabetes tipo 2 ao ganho de peso e comportamento alimentar, pois é mais frequente a presença do Transtorno de Compulsão Alimentar.

Estes são alguns dos sinais de alerta para a presença de um transtorno alimentar em pessoas com diabetes:

  • Negligência no gerenciamento do diabetes, incluindo o monitoramento das glicemias capilares, a titulação da insulina (omissão de insulina) e a adesão a outros medicamentos;
  • Ganho ou perda significativa de peso;
  • Dietas frequentes e preocupação com a composição dos alimentos;
  • Visão negativa da imagem corporal/baixa autoestima;
  • Sintomas depressivos, incluindo o humor triste, baixa de energia, falta de concentração;
  • Níveis sempre altos da Hemoglobina glicada (A1c);
  • Glicemias constantemente elevadas;
  • Dislipidemia (aumento dos níveis de triglicerídeos e colesterol);
  • Cetoacidose diabética de repetição/hipoglicemias graves sem justificativa aparente;
  • Complicações microvasculares (retinopatia, nefropatia, neuropatia) de início precoce.

É importante que a pessoa com diabetes e seus familiares estejam atentos ao plano alimentar, prática de atividade física regular, tomada de medicamentos, realização de exames e monitorização da glicemia para um controle adequado. Saber usar os dados coletados para resolver problemas e desenvolver estratégias educacionais mais apropriadas.

Reduzir os riscos

Últimas postagens

Viver melhor

Dependendo do tipo de diabetes e seu histórico, seu médico pode lhe receitar diferentes medicamen...

Viver melhor

Descansar e relaxar são indispensáveis para uma vida saudável. Quanto mais tranqui...

Viver melhor

Ao contrário da crença popular, as pessoas com diabetes não precisam de uma dieta diferente da de seus familiare...

Viver melhor

O exercício físico é um bom hábito que melhora a saúde de todos. É ainda mais importante para as pessoas com diabetes...

Diabetes

Entre os aspectos emocionais destacam-se os transtornos alimentares, que podem ocorrer de forma escondida e que estão...

Fale conosco

Preencha o formulário e entraremos em contato